Olá Moçambique

ocupar o tempo com o que se passa em Moçambique

Reflexão sobre a violência marca Dia Mundial de Prevenção do Abuso da Criança

A Save the Children, em coordenação com o Ministério do Género Criança e Acção Social e com o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano, realizou ontem em Maputo um Workshop de Reflexão sobre Estratégias de Prevenção e Resposta contra Abuso de Crianças. O evento vai marcar a passagem, amanhã, 19 de Novembro, do Dia Mundial de Prevenção do Abuso de Criança.

A Imprensa foi convidada a dar o seu contributo assegurando a cobertura e divulgação do evento como forma de massificar a consciência pública relativamente a violência exercida sobre a criança e os problemas que causa para o seu bem-estar emocional e físico, agora e no futuro.

SOBRE O ABUSO CONTRA CRIANÇAS

O abuso contra criança constitui uma violação dos direitos das crianças e com implicações a longo prazo, envolvendo diversas formas, dentre os quais a violência física, psicológica, sexual e a negligência por parte de um adulto ou pessoa mais velha. As práticas mais comuns envolvem a violência doméstica (física e psicológica) e o abuso sexual.

Há uma grande necessidade de aumentar a consciência das comunidades sobre a prevalência do abuso e da violência, capacitar e dar poder aos membros da comunidade, famílias e crianças para denunciar e abordar tais violações bem como é também essencial a adopção de políticas e protocolos amigáveis que respondam eficazmente às necessidades das crianças.

O Dia Mundial para a Prevenção do Abuso contra as Crianças é celebrado à luz da Convenção dos Direitos das Criança, documento que enuncia um conjunto amplo de direitos fundamentais das crianças (direitos civis, políticos, económicos, sociais e culturais), bem como de todas as disposições para que esses direitos sejam aplicados.

A escola e a casa são considerados espaços em que o abuso sexual é frequentemente perpetrado, seja sob a forma de assédio (nas escolas), abuso sexual nas famílias e comunidade, seja por razões que têm a ver com mitos (enriquecimento familiar), com as dívidas e com as uniões prematuras. Segundo o inquérito de violência contra criança (2019), cerca de 43% de mulheres e homens entre os 18 aos 24 anos reportaram ter sofrido violência na infância e tem assinalado um crescimento rápido desde o inicio da pandemia. Situações de crise como a da COVID-19, conflitos e desastres naturais potenciam cada vez mais a exposição de crianças, em particular raparigas, à situações de risco como a prostituição infantil, uniões prematuras, tráfico e exploração.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Informação

This entry was posted on 18 de Novembro de 2021 by in Moçambique.

Navegação

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 3.124 outros seguidores

Arquivos

%d bloggers like this: