Olá Moçambique

ocupar o tempo com o que se passa em Moçambique

Chiziane questiona descrença sobre curandeirismo

Com objectivo de revisitar as tradições africanas e os seus respectivos conceitos, crenças, sistemas de pensamentos e visões do mundo, Paulina Chiziane e o médico tradicional, Rasta Samuel Pita, lançaram quarta-feira última, em Maputo, a obra literária intitulada “Por quem vibram os Tambores do Além?”.
O lançamento desta obra, sob chancela da Índico Editores, contou com o alto patrocínio da maior operadora de telefónia móvel em Moçambique, mcel, e decorreu no Centro Recreativo da Universidade Politécnica (CREISPU) numa cerimónia bastante concorrida por diversas individualidades da praça, nomeadamente escritores, políticos, académicos, entre outros.
Partindo para uma escrita contemplativa e reflexiva diferente da ficcionista, que lhe é habitual, Paulina Chiziane chama a atenção às mentes africanas “colonizadas” pelos conceitos ocidentais que desacreditam as tradições africanas, particularmente no curandeirismo.
“Se Deus é o único que criou a todos de maneira igual, deu a Moisés o poder da magia, também deu aos curandeiros, o mesmo poder. Por que é que hoje, os curandeiros são condenados e Moisés é louvado?”, questionou a autora, acrescentando que na sua obra literária toca num ponto bastante sensível, que é a libertação espiritual do continente africano, em especial de Moçambique.
De acordo com autora do livro, a opinião generalizada sobre o curandeiro africano e moçambicano em particular é negativa, mas ninguém sabe argumentar as suas posições. “As pessoas que criticam os curandeiros não conhecem as suas normas e nem os seus princípios. O conceito de “Deus único” saiu de um africano, chamado Moisés, para o mundo. Como é que de repente aparecem religões do ocidente a afirmar que África está nas trevas e os curandeiros são os diabos”.
Rasta Samuel Pita, o co-autor do livro, que diz ter conhecido Paulina Chiziane em 2003, revela que o livro é espiritual, “porque um dia, dormi e sonhei algo que podia escrever. O que está aqui escrito não veio por acaso”, disse agradecendo o apoio prestado pela mcel.
Por seu turno, o PCA da mcel, Teodato Hunguana, afirmou que sua instituição se sente orgulhosa por estar associada a tão importante obra de Paulina Chiziane e Rasta Samuel Pita, no âmbito da promoção e desenvolvimento da literatura moçambicana. “Já estivemos antes associados à Paulina, noutras obras e fazemos questão de garantir que a mcel continuará a apoiá-la”, finalizou.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 1 de Novembro de 2013 by in Moçambique.

Navegação

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 1.934 outros seguidores

Arquivos

Olá Moçambique

%d bloggers like this: