Olá Moçambique

ocupar o tempo com o que se passa em Moçambique

Vale recua e dialoga

A Vale, companhia brasileira mineradora e exploradora de carvão, decidiu retomar as conversações com os representantes das comunidades dos oleiros de Cateme, no distrito de Moatize, província central de Tete, em Moçambique, com o envolvimento do governo, informa nesta quarta-feira (24) a agência AIM.

A Vale refere, em comunicado, que o seu objectivo é buscar soluções conjuntas e desenvolver iniciativas de incremento da produção e renda, a nível micro-empresarial, que permitirão a integração dos oleiros nessas actividades.

No entanto, o “recuo” da Vale é visto como resultado da ameaça feita pelos representantes das 1365 famílias envolvidas no processo negocial, que prometeram endurecer ainda mais as revoltas em protesto contra as compensações que apontam como injustas.

Aliás, as famílias reassentadas pela Vale chegaram a queixar-se de intimidação durante o processo negocial havido entre as partes para resolver o diferendo que opõe as famílias reassentadas àquela mineradora brasileira.

A Acção Académica para o Desenvolvimento das Comunidades Rurais (ADECRU) denunciou, no comunicado de imprensa dirigido recentemente a AIM, as tentativas de manipulação, ameaças e intimidação sofridas pelos representantes das famílias nas negociações.

Aliás, no encontro havido no dia 19 do mês em curso, a retórica e o discurso dominantes dos representantes da Vale e da Policia mocambicana (PRM) gravitava na repreensão e culpabilização das famílias pelos avultados prejuízos averbados pela empresa durante a paralisação das suas actividades.

Todavia, os oleiros protestaram afirmando que as suas actividades estavam paradas desde 2009, mas a Vale estava a operar e a produzir, exportando e ganhando lucros altíssimos com a venda do carvão feita à custa do seu sofrimento.

“Nós temos famílias por alimentar e sustentar. Ao invés de focarem as atenções nas principais questões que nós levantamos, preferiram falar dos impactos e danos dos protestos e não propriamente das nossas preocupações”, reclamaram os oleiros no comunicado.

Na óptica da ADECRU, as graves falhas e os vícios no processo reflectem a excessiva influência, interferência e o poder que a Vale exerce sobre os representantes do governo a todos os níveis.

O facto, segundo a Acção Académica, revela também a subordinação do interesse público e da soberania nacional aos interesses privados de uma pequena elite política, em conivência com as grandes corporações transnacionais.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 24 de Abril de 2013 by in empresas, responsabilidade social and tagged .

Navegação

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 1.934 outros seguidores

Arquivos

Olá Moçambique

%d bloggers like this: