Olá Moçambique

ocupar o tempo com o que se passa em Moçambique

Áreas de energia, petróleo, gás e mineração: Sector privado nacional aprende a tirar vantagens dos megaproj ectos

Dois consultores económicos sul-africanos estiveram, quinta-feira última, em Maputo, reunidos com o sector privado moçambicano, para partilhar a sua experiência sobre como capacitar as pequenas, médias e grandes empresas locais a fornecerem produtos e serviços aos megaprojectos, que operam nas áreas de energia, petróleo, gás e mineração.
No seminário, organizado pela CTA-Confederação das Associações Económicas de Moçambique, os "experts" sul-africanos, John James e Leida Schuman, dissertaram sobre as regras de "procurement" e a incorporação de conteúdo locais como estratégias de veículo para desenvolver capacidades locais humanas e técnicas, garantindo o fornecimento de produtos, serviços e programas sustentáveis de Business Linkage.

Hipólito Hamela, assessor económico da CTA e moderador do encontro, explicou que “com o desenvolvimento da indústria extractiva no País, nomeadamente o gás natural, carvão mineral, areias pesadas e quiçá um dia o petróleo,, explorados por multinacionais, urge discutir como é que a comunidade empresarial moçambicana pode beneficiar das oportunidades de negócios”.

“A CTA trouxe estes consultores para nos transmitir a sua experiência de trabalho e ligações na África do Sul, pois neste país vizinho existe um programa de ligação com as grandes indústrias extractivas”, referiu Hipólito Hamela, acrescentando que os especialistas sul-africanos fizeram abordagens sobre experiências de outros países como Nigéria, Guiné, Gana, Mali, Brasil e Argentina.

O segundo aspecto – conforme indicou o assessor económico da CTA – tem a ver com a legislação de alguns países que “refere claramente que o produto final que sair, seja gás, petróleo, etc, deve conter conteúdo local, pelo que os consultores irão explicar como isso se processa”.

“A mensagem final vai ser que este assunto não se resolve de um dia para outro: a capacidade para fornecer produtos e serviços às multinacionais não é automática, porque as nossas empresas têm que atingir um determinado standard de qualidade, pois as multinacionais vão manter os seus níveis de exigência em termos que qualidade, segurança, entre outros aspectos”, frisou Hamela.

Concluindo, Hipólito Hamela sublinhou ser necessário que “o Governo, o sector privado e a sociedade em geral trabalhem juntos para que, dentro dos próximos cinco anos, sejamos capazes de fornecer serviços e absorver uma parte da produção, transformando-a localmente”.

Refira-se que este é o segundo seminário sobre a perspectiva sul-africana de ligação das PMEs às grandes empresas multinacionais. O primeiro teve lugar quarta-feira última, na cidade da Beira.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 25 de Outubro de 2012 by in Uncategorized.

Navegação

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 1.934 outros seguidores

Arquivos

Olá Moçambique

%d bloggers like this: