Olá Moçambique

ocupar o tempo com o que se passa em Moçambique

PME’s aprendem a ser rentáveis e competitivas

A African Management Services Company (AMSCO) – em parceria com a Norfund e a Technoserve – reuniu, quinta-feira última, em Maputo, representantes de pequenas e médias empresas (PME’s), câmaras de comércio, instituições internacionais e do Governo, com vista a trocar experiências sobre o desenvolvimento do sector privado em Moçambique.
No workshop subordinado ao tema “Apoiando o sector privado, o motor de crescimento", a AMSCO, instituição pioneira na capacitação e desenvolvimento de competências das PME’s em África, onde actualmente opera em 25 países, manifestou a sua pretensão em apoiar as empresas moçambicanas a se tornarem rentáveis e competitivas, através do fornecimento do capital humano.

Para além das perspectivas de investimentos do Norfund, um fundo norueguês que ajuda os países em desenvolvimento a lutar contra a pobreza, apoiando o crescimento económico, emprego e transferência de tecnologia, foi igualmente apresentada a visão económica da TechnoServe, uma organização, com sede nos Estados Unidos, que ajuda empresários dos países pobres a fazer negócios que geram renda, oportunidades e crescimento económico para as suas famílias, comunidades e países.

Intervindo na ocasião, o ministro da Indústria e Comércio, Armando Inroga, disse que continua a ser propósito essencial do Governo a dinamização da agricultura em Moçambique, sendo o sector prioritário:”É sobre o sector da agricultura, que o Governo de Moçambique projecta a redução da pobreza, promoção de investimentos, criação de emprego, entre outros”, frisou o governante.

“As recentes descobertas de gás natural e as anteriores de carvão mineral representam para todos os moçambicanos uma responsabilidade acrescida na medida que é necessário fazer-se a exploração sustentável daqueles recursos com benefícios para todos nós, o que representa um esforço de inclusão, de participação, de discussão e de desenho de soluções pontuais para cada situação”, referiu Armando Inroga.

Por seu turno, o vice-presidente da CTA-Confederação das Associações Económicas de Moçambique, Agostinho Vuma, referiu que “um dos desafios da CTA é encontrar mecanismos adequados para incrementar a participação do sector privado, sobretudo das Pequenas e Médias Empresas no desenvolvimento do País”.

“O País precisa de pequenas e médias empresas sólidas, onde a inovação, o uso de boas práticas de gestão, a existência de um plano de crescimento e, acima de tudo, a existência de recursos humanos qualificados e motivados devem estar presentes, de modo que estas sejam competitivas e se afirmem no mercado nacional mas não só, garantindo assim o seu crescimento e o desenvolvimento sustentável da nossa economia”, finalizou Agostinho Vuma.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 13 de Setembro de 2012 by in Uncategorized.

Navegação

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 1.934 outros seguidores

Arquivos

Olá Moçambique

%d bloggers like this: