Olá Moçambique

ocupar o tempo com o que se passa em Moçambique

CLIN e Governo moçambicano assinam Contratos de Concessão

A empresa Corredor Logístico Integrado do Norte (CLIN), constituída pela Vale em 80%, e pelos CFM, em 20%, assina hoje com o Governo moçambicano, os Contratos de Concessão ferroviário e portuário que preconizam a construção de linhas e ramais ferroviários ligando Moatize a Nampula, e de um novo terminal portuário em Nacala-a-Velha, que farão parte de um sistema integrado de logística, o Corredor de Nacala. O Corredor criará capacidade para o escoamento da produção de carvão da região de Moatize até ao novo porto de Nacala-a-Velha, além do aumento do nível de serviço e competitividade no transporte das diversas cargas da região, e também da expansão e melhoria do transporte de passageiros.
O contrato assinado pelo Ministro de Transportes e Comunicações, Paulo Zucula, representando o Governo de Moçambique, e Ricardo Saad, Director de Projectos da Vale para África, Ásia e Austrália, e Rosário Mualeia, Presidente do Conselho de Administração dos Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique, ambos representando o Corredor Logístico Integrado do Norte (CLIN), viabilizará o transporte e embarque de carvão, cargas diversas e transporte de passageiros, garantindo um investimento seguro aos sócios deste empreendimento.
Nos termos dos contratos de concessão assinados, a Vale irá ceder 5% da sua participação social a favor de cidadãos e empresas moçambicanas, o que deverá ocorrer logo após o fim da construção. Neste mesmo contexto, a concessão estipula também que, futuramente e de forma progressiva, haja aumento da participação de cidadãos e empresas moçambicanas, além do próprio CFM.
Efectivamente, o Corredor Logístico Integrado do Norte (CLIN) compreende a construção de uma linha ferroviária ligando a região de Moatize, em Tete, à Nacala-a-Velha, em Nampula, passando pelo Malawi, com a construção de raiz de 230 km e a reabilitação de 682 km, além da construção do terminal portuário e de todas as infraestruturas associadas, num investimento de USD$ 4.5 biliões.
Recorde-se ainda, que em Dezembro passado, a Vale assinou com o Governo do Malawi o contrato de concessão ferroviária para a construção e operação de parte do Corredor de Nacala, cobrindo 137 km de linha férrea, entre a fronteira de Moçambique e Malawi até o trecho ferroviário existente no Malawi.
Os contratos de concessão assinados garantirão o direito de construção e operação de todo o trecho ferroviário e do terminal portuário necessário ao escoamento do carvão da região de Moatize até o porto de Nacala, assegurando que toda esta região atinja novos patamares de
crescimento e aumento da qualidade de vida e do poder económico, para além do aumento da produtividade e competitividade do transporte de cargas e melhoria do nível de serviço dos transportes de passageiros.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Information

This entry was posted on 13 de Julho de 2012 by in Uncategorized.

Navegação

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 1.934 outros seguidores

Arquivos

Olá Moçambique

%d bloggers like this: